CURIOSIDADES ESPORTIVAS

 futebol[1]

CURIOSIDADES ESPORTIVAS

AS 100 MAIS

1 – O cantor e compositor português Roberto Leal  é o autor do hino da Portuguesa de São Paulo. Lupicínio Rodrigues compôs o hino do Grêmio de Porto Alegre. E Larmartine Babo, além de fazer o hino do seu time de coração, o América do Rio, compôs os do Flamengo, Fluminense, Vasco, Botafogo, Bonsucesso, Bangu, Madureira, Olaria e São Cristóvão.

 

2 – Por que o time do Coritiba se escreve com o, e o da cidade se escreve com u? Porque na época da fundação do clube, o nome da cidade, capital do Paraná, se escrevia com a letra o.

 

3 – Náutico, de Pernambuco, e Fortaleza, do Ceará, foram vice-campeões brasileiros da Taça Brasil, o correspondente à Copa Brasil de hoje. As decisões: em 67, o Náutico perdeu de 2×0 para o Palmeiras, no Maracanã; e em 68, o Fortaleza, perdeu de 4×0 para o Botafogo, também no Mário Filho.

 

4 – Os mascotes dos times brasileiros: do Flamengo-RJ é o urubu; o do Santos é o peixe; o do Palmeiras é o periquito; o do Cruzeiro é a raposa; o do Botafogo-RJ é o Pato Donald.

 

5 – No hino do Atlético Mineiro tem uma frase que diz: “Nós somos campeões do gelo”. Isso é devido a uma excursão vitoriosa do time à Europa, onde jogou debaixo de neve, em 1950.

 

6 – Dois grandes times do Brasil se chamaram Palestra até o início dos anos 40: o Cruzeiro era chamado de Palestra de Belo Horizonte, e o Palmeiras era o Palestra Itália.

 

 7 – O clube brasileiro com o maior número de jogadores campeões mundiais foi o Santos que, nas Copas de 58, 62 e 70, teve 11 jogadores do seu time nas seleções campeãs do Brasil. Com apenas 1 jogador estão Atlético Mineiro (Dario, 70), Bangu (Zózimo, 58 e 62) e Grêmio (Everaldo, 70).

 

 8 – Um jogador do Bahia se matou depois de ser expulso de um clássico contra o Vitória. Isso aconteceu no Ba-Vi de 2 de julho de 1934. O jogador do Bahia, Bitonha, bateu no juiz do jogo porque descordara da repetição de uma cobrança de pênalti. Bateu tanto, que o juiz não pôde apitar o 2o tempo do jogo. O jogador foi preso e, no dia seguinte, quando viu sua foto nos jornais, se sentiu envergonhado e se suicidou, bebendo cianureto.

 

 9 – O Bahia foi o primeiro clube brasileiro a participar da Taça Libertadores da América, graças à conquista da Taça Brasil, em 1959.

 

10 – A maior goleada que o Brasil já aplicou foi 14×0 em cima da Nicarágua pelos Jogos Pan-Americanos de 1977.

leao[2]

11 – O goleiro que tomou menos gols jogando pela Seleção Brasileira foi Leão, que, em 82 jogos sofreu 50 gols, resultando numa média de 0,60 por jogo. Gilmar vem em segundo: 98 gols em 95 partidas, com média de 1,03 gol por partida.

 

12 – Falcão foi treinador da Seleção Brasileira em apenas 17 jogos. Ganhou seis, empatou sete e perdeu quatro. Pior não poderia ter sido.

 

13 – Só um técnico estrangeiro conseguiu a façanha de assumir o comando da Seleção Brasileira. Foi o argentino Filpo Nuñes, num amistoso no Mineirão, no dia 7 de setembro de 1965, contra o Uruguai, em que o Palmeiras representou o Brasil. Filpo era o técnico do Palmeiras e o Brasil venceu por 3×0.

 

14 – O Atlético Mineiro foi o único clube brasileiro a derrotar a Seleção Brasileira. Isso foi em 1969, no Mineirão. Amauri e Dario marcaram para o Atlético, e Pelé para o Brasil.

 

15 – Jogadores com apelidos de bichos que vestiram a camisa da Seleção: Barata, em 1921; Bodinho, em 1956; Coelho, em 1923; Falcão, em 1986; Formiga I e II, em 1922/55; Galo, em 1919; Jaburu, em 1960; Lagarto, em 1925; Leão, em quatro Copas; Lula, em 1969; Pavão, em 1956; Pintinho, em 1979; Rato, em 1931 e Tatu, em 1922.

 

16 – A partida de Copa do Mundo onde houve mais gols foi no jogo Suíça 5, Áustria 7, pela Copa de 54, na Suíça.

 

 17 – Marcos Evangelista de Moraes é o nome completo do lateral Cafu. O goleiro Dida, da Seleção, foi batizado pelo nome de Nélson de Jesus Silva. O atacante Dodô é Ricardo Lucas, e o meia Vampeta assina pelo nome de Marcos André Batista dos Santos.

brasil58[1]

 18 – O Brasil foi campeão em 58 sob o comando do técnico Vicente Feola; em 62 foi bicampeão com Aymoré Moreira; em 70 foi com Zagallo; em 94, o Brasil foi tetra com Carlos Alberto Perreira; e foi pentacampeão com Felipe Scollari.

 

 19 – O centroavante Mazzola (João José Altafini) foi o único brasileiro que jogou uma Copa pelo Brasil (1958) e outra por outro país, no caso, a Itália (1962).

 

 20 – A pior colocação do Brasil numa Copa do Mundo foi a décima quarta posição em 1934, na Copa da Itália. Depois veio a colocação na Copa de 66, deixando o Brasil em 11o lugar.

 

 21 – A primeira partida que Pelé disputou como profissional foi contra o Corinthians de Santo André, no feriado de 7 de setembro de 1956, quando o Santos venceu de 7×1 e Pelé fez o sexto gol.

 

 22 – Pelé atuou duas vezes como goleiro, pelo Santos.  A primeira foi contra o Grêmio, pela Taça Brasil, em 19 de janeiro de 1964, quando Gilmar se machucou e o rei assumiu o gol. O Santos venceu de 4×3. A segunda foi contra o Botafogo da Paraíba, num amistoso realizado em 1969. O Santos fez 3×0.

 

 23 – Quando estreou na Seleção Brasileira, Pelé tinha 16 anos, 8 meses e 14 dias de vida. Foi o jogador mais jovem a vestir a camisa do Brasil.

 

 24 – Pelé ficou na reserva uma vez. Foi no amistoso entre Brasil e Bulgária, em abril de 1970. Ele vestia a camisa 13 e o técnico era Zagallo. Mas acabou entrando em campo, no lugar de Tostão. 

pele2[1]25 – O time que mais levou gols de Pelé foi o Corinthians: 49, nas 48 partidas que ele jogou contra o alvinegro, de 1957 a 1974. Pelé ganhou 24, empatou 15 e perdeu apenas 9 jogos.

 

26 – O primeiro time ganhador da Bola de Prata, instituída pela revista Placar para eleger os melhores do Campeonato Brasileiro (nesse ano, o Robertão), foi este, em 1970: Picasso, Humberto Monteiro, Brito, Reyes e Everaldo; Zanata, Dirceu Lopes e Samarone; Vaguinho, Tostão e Paulo César Caju.

 

 27 – O segundo time, em 1971, já foi este: Andrada, Humberto Monteiro, Pescuma, Vantuir e Carlindo; Vanderley, Dirceu Lopes e Rivelino; Antonio Carlos, Tião Abatiá e Edu.  Nesse time havia apenas um jogador que atuava em um clube nordestino: o lateral esquerdo Carlindo, do Ceará.

 

 28 – Ganhadores da Bola de Ouro da Revista PLACAR:

Ano  

Jogador  

Clube  

2008 Rogério Ceni São Paulo
2007 Thiago Neves Fluminense
2006 Lucas Grêmio
2005 Tevez Corinthians
2004 Robinho Santos
2003 Alex Cruzeiro
2002 Kaká São Paulo
2001 Alex Mineiro Atlético Paranaense
2000 Romário* Vasco da Gama
1999 Marcelinho Carioca Corinthians
1998 Edílson Corinthians
1997 Edmundo* Vasco da Gama
1996 Djalminha Palmeiras
1995 Giovanni Santos
1994 Amoroso Guarani
1993 César Sampaio Palmeiras
1992 Júnior Flamengo
1991 Mauro Silva Bragantino
1990 César Sampaio Santos
1989 Ricardo Rocha São Paulo
1988 Taffarel Internacional
1987 Renato Gaúcho Flamengo
1986 Careca* São Paulo
1985 Marinho Bangu
1984 Roberto Costa Vasco da Gama
1983 Roberto Costa Atlético Paranaense
1982 Zico* Flamengo
1981 Paulo Isidoro Grêmio
1980 Toninho Cerezo Atlético Mineiro
1979 Falcão Internacional
1978 Falcão Internacional
1977 Toninho Cerezo Atlético Mineiro
1976 Figueroa Internacional
1975 Valdir Peres São Paulo
1974 Zico Flamengo
1973 Ancheta Grêmio
1973 Cejas Santos

 

 29 – O jogador Tostão abandonou cedo a carreira: aos 26 anos de idade, por problemas na visão. O último gol de Tostão foi marcado no dia 10 de fevereiro de 1973, aos 34 minutos do 2o tempo, garantindo a Vitória do Vasco sobre o Flamengo por 1×0.

 

 30 – O centroavante Dario, o Dadá Peito de Aço, ou Dadá Maravilha, jogou em nada menos que 16 clubes.

 

31 – Garrincha foi vendido pelo Botafogo ao Corinthians em fevereiro de 1966 e atuou em 13 partidas pelo alvinegro. Marcou apenas dois gols.32 – O meia Ademir da Guia jogou apenas uma vez na Copa do Mundo. Foi na Copa de 74, na Alemanha. Ademir entrou em campo contra a Polônia, na decisão do terceiro lugar, e jogou apenas o 1o tempo. Foi substituído no intervalo por Mirandinha. O Brasil perdeu por 1×0 e ficou em 4o lugar.

 

 33 – É costume pensar que Falcão é gaúcho e que Júnior é carioca. Nem uma coisa nem outra. Falcão é catarinense e Júnior é paraibano.

 

 34 – Quem era o centroavante João Batista Sales, do Flamengo, nos anos 70? Esse era o nome de Fio Maravilha, aquele mesmo da música de Jorge Ben, e que foi ídolo do Flamengo durante quase dez anos.

maracana[1]

 35 – Se fosse possível ligar todos os vergalhões de ferro utilizados no Estádio do Maracanã, seria possível dar uma volta e meia em torno da Terra. O Maracanã ocupa uma área de 186.638 metros quadrados. A energia elétrica dos seus refletores daria para iluminar 3 mil casas.

 

 36 – O primeiro time nordestino a jogar no Maracanã foi o Bahia, em 26 de março de 1960, pela Taça Brasil de 59. O tricolor venceu o Santos por 3×1 e ficou com o título.

 

 37 – O nome oficial do estádio Parque Antártica, do Palmeiras, é Palestra Itália.

 

 38 – O nome oficial do Estádio da Vila Belmiro, do Santos, é Urbano Caldeira, ex-jogador e presidente do clube.

 

 39 – O campo de futebol mais largo do país é o da Ilha do Retiro, do Sport Recife, que tem 78 metros de largura. O Maracanã, por exemplo, tem 3 metros a menos.

 

 40 – O clube de futebol mais antigo do mundo é o Notts County, da Inglaterra, fundado em 1862. Este clube disputa atualmente a Quarta Divisão de Futebol da Inglaterra.

 

 41 – O clube mais velho do Brasil, ainda em atividade, é o Sport Club do Rio Grande, da cidade de Rio Grande/RS, fundado em 19 de julho de 1900. A Ponte Preta de Campinas foi criada em 11 de agosto de 1900.

 

 42 – O primeiro jogo da Seleção Brasileira ocorreu no dia 21 de julho de 1914, no Estádio das Laranjeiras, Rio de Janeiro. O Brasil estreou vencendo os ingleses do Exeter City por 2×0, gols de Osvaldo Gomes e Osman. O time histórico foi este: Marcos Carneiro, Píndaro eNery; Lagreca, Rubens Salles e Rolando; Abelardo, Osvaldo Gomes, Friedenreich, Osman e Formiga.

 

 43 – Dizem que foi Guilherme de Aquino Fonseca que trouxe a primeira bola de futebol para o Estado de Pernambuco.

 

 44 – O primeiro gol do Brasil numa Copa do Mundo foi marcado por João Coelho Neto, o “Preguinho”, filho do escritor Coelho Neto.

 

 45 – O primeiro jogo do Brasil transmitido pela televisão foi Portuguesa 3 x Palmeiras 1, realizado no dia 10 de dezembro de 1950. A pioneira foi a TV Tupi de São Paulo.

 

 46 – O primeiro jogo de futebol transmitido pelo rádio foi um jogo da Seleção Paulista com a Seleção Paranaense ocorrido em 1931 no antigo campo da Floresta, em São Paulo. A partida, vencida pelos paulistas, foi transmitida pela Rádio Educadora Paulista e narrada por Nicolau Tuma.

 

 47 – O primeiro gol do Maracanã foi marcado por Didi, no jogo em que os Cariocas perderam para os Paulistas por 3×1, em 17 de junho de 1950. O primeiro gol do Morumbi foi assinalado por Peixinho, do São Paulo. No Beira Rio, de Porto Alegre, foi Claudiomiro, do Inter. No Pacaembu o primeiro gol foi marcado por Zequinha, do Coritiba. No Arruda, Recife, o pioneiro foi Betinho, do Santa Cruz; o primeiro gol da Fonte Nova foi marcado por Nelson, do Botafogo/BA; e na Ilha do Retiro, Recife, o autor foi Aroldo Praça, do Sport.

 

 48 – O primeiro goleiro brasileiro a marcar um gol chutando a bola diretamente da sua área foi Ubirajara Alcântara, do Flamengo. Isso ocorreu em 19 de setembro de 1970, no jogo em que o Flamengo venceu o Madureira por 2×0, aos 30 minutos do 2o tempo. Fazia muito vento do estádio no Estádio da Ilha do Governador.

 

 49 – A maior goleada ocorrida no Maracanã foi no jogo Flamengo 12×0 São Cristóvão, pelo Campeonato Carioca, no dia 28 de outubro de 1956.

dario_galo78[1]

 50 – O atacante Dario é o recordista brasileiro de gols numa só partida: dez, no jogo Sport 14×0 Santo Amaro, em 1976. Jorge Mendonça, quando jogava pelo Náutico, fez oito gols na goleada de 8×0 sobre o mesmo Santo Amaro, do Recife, em 1974.

 

51 – O jogo de futebol que durou mais tempo até hoje foi Santos x Peñarol, na Vila Belmiro, que começou na noite de 2 de agosto de 1962 e terminou na madrugada do dia 3. Foram três horas e 34 minutos (das 21h30 às 00h45) e terminou empatada em 3×3 depois de muitas interrupções.

 

 52 – O jogador pernambucano Gena (Genival Costa de Barros Lima) é o jogador brasileiro com mais títulos consecutivos na carreira. Foram dez: cinco pelo Náutico (de 63 a 68) e mais cinco pelo Santa Cruz  (de 69 a 73). Gena mora em Recife.

 

 53 – Neneca, ex-Guarani/SP e campeão brasileiro em 1978, passou 1.636 minutos sem tomar gols quando era goleiro do Náutico do Recife, em 1974. É o recordista brasileiro até hoje. E segundo consta nas estatísticas da revista Placar, é também recordista MUNDIAL.

 

 54 – O menor público que já assistiu a um jogo de futebol profissional no Brasil foi na partida Desportiva Bandeirante e Taguaringa, em Brasília, no dia 20 de junho de 1980. O público foi este: zero. É, ninguém, absolutamente ninguém, foi assistir à partida que o Taguatinga venceu de 2×0.  Ainda em Brasília, em 1970, apenas 1 torcedor pagou pra ver o jogo GamaxJaguar.

 

 55 – A maior virada da história do futebol brasileiro aconteceu em Pernambuco, no dia 15 de abril de 1917. O Santa Cruz estava perdendo do América por 5×1 e, em quinze minutos, virou para 7×5. Três gols foram marcados pelo atacante Tiano, apelido de Matiano Fernandes, médico e ex-senador pelo Estado de Pernambuco.

 

 56 – O jogador brasileiro que encerrou a carreira com o maior número de expulsões foi Daison Pontes, zagueiro do Gaúcho de Passo Fundo(RS). Daison foi expulso dezoito vezes entre 1959 e 1974.

 

 57 – Alguns jogadores brasileiros que morreram em acidentes de carro: Lidu e Eduardo do Corinthians, em 1969, quando dirigiam um Fusca; Everaldo, do Grêmio, em 1974, dirigindo um Dodge Dart; Roberto Batata, do Cruzeiro, em 1976, conduzindo um Chevette; Enéas, da Portuguesa, em 1988, quando dirigia um Monza; Denner, do Vasco, em 1994, dentro de um Mitsubishi Eclipse; Dirceu, em 95, dirigindo um Puma.

 

 58 – O jogador mais baixinho do futebol brasileiro nos últimos anos foi o ponta-direita Osni, que jogou no Bahia e outros clubes. Osni tinha 1 metro e 56 centímetros de altura. O goleiro Dida, que atuou na Seleção brasileira, é o mais alto de todos: 1 metro e 95.

 

 59 – Nas dez maiores invencibilidades do futebol brasileiro, o Botafogo do Rio é campeão com 52 partidas sem perder pra ninguém, no período de 1977/78, ao lado do rival Flamengo, também com 52 partidas de 78 a 79. O Santa Cruz/PE (78/79) está na quarta colocação ao lado de Bahia(82)  e Grêmio (31/33) , todos com 48 partidas invictas.

 

 60 – Se lhe perguntarem qual era a posição do jogador mineiro Manoel Resende Matos Cabral, o que você diria? Pois esse é o nome do ex-lateral Nelinho, que brilhou no Cruzeiro e no Atlético Mineiro nos anos 70 e 80. Antonio José da Silva Filho foi um grande ídolo do Corinthians na mesma época. Mas todo mundo só o conhecia pelo nome de Biro-Biro.

 

 61 – Mais alguns apelidos de jogadores e seus verdadeiros nomes:

-         Alemão, do Botafogo (Ricardo Rogério de Brito)

-         Bebeto, do Fla/Vasco (José Roberto da Gama de Oliveira)

-         Beijoca, do Bahia (Jorge Augusto Ferreira do Aragão)

-         Bobô, do Bahia (Raimundo Nonato Tavares da Silva)

-         Caçapava, do Inter (Luiz Carlos Melo Lopes)

-         Dida, meia do Flamengo nos anos 50 (Edvaldo Alves de Santa Rosa)

-         Dida, goleiro da Seleção (Nélson de Jesus Silva)

-         Dodô, do São Paulo (Ricardo Lucas)

-         Dudu, do Palmeiras (Olegário Tolói de Oliveira)

-         Dunga, da Seleção (Carlos Caetano Bledorn Verri)

-         Mazaroppi, goleiro do Grêmio (Geraldo Pereira de Matos Filho)

-         Müller, do Santos (Luiz Antonio Correa da Costa)

-         Tita, do Flamengo (Milton Queiroz da paixão)

-         Tostão, da Seleção (Eduardo Gonçalves de Andrade)

-         Viola, do Palmeiras (Paulo Sérgio Rosa)

-         Zico, do Flamengo (Arthur Antunes Coimbra)

 

 62 – Em 1982, o lateral-direito do Sport Recife, Carlos Alberto Barbosa, sentiu-se mal em campo e teve uma parada cardíaca. Acabou morrendo.

 

 63 – Os árbitros brasileiros que atuaram em Mundiais foram: 1930 – Almeida Rego; 1950 – Mário Vianna, Mário Gardelli e Alberto Malcher; 1954 – Mário Vianna; 1962 – João Etzell Filho; 1966 – Armando Marques; 1970 – Ayrton Vieira de Morais; 1974 – Armando Marques; 1978 e 1982 – Arnaldo Cezar Coelho; 1986 – Romualdo Arppi Filho; 1990 – José Roberto Wright; 1994 – Renato Marsiglia e Paulo Jorge Alves; 1998 – Márcio Rezende Freitas e Arnaldo Pinto; 2002 – Carlos Eugênio Simon e Jorge Paulo Gomes; 2006 – Carlos Eugênio Simon, Aristeu Leonardo Tavares e Ednilson Corona.

bola_futebol[1] 

64 – Uma bola oficial de futebol deve ter no mínimo 420 gramas e, no máximo, 445 gramas. Antes, essas medidas eram 396 a 453 gramas.

 

 65 – O jogo de futebol tem apenas 17 regras. A primeira diz respeito ao campo. A última, ao escanteio.

 

 66 – O pênalti é a única infração no futebol que deve ser cobrada mesmo depois de encerrado o tempo de uma partida.

 

 67 – Se a bola bater no juiz e entrar, o gol deverá ser validado. O juiz, tal quais as traves e as bandeiras de escanteio, é considerado um elemento neutro. No jogo Palmeiras e Santos, pelo Paulistão de 83, o jogador Jorginho deu um chute aos 46 min. do 2o tempo e a bola acabou desviando no juiz José de Assis Aragão e entrou. Era o empate de 2×2.

 

 68 – A distância que se deve guardar da bola até a barreira, na cobrança de falta, é de 9 metros e 15 centímetros. Da linha do pênalti ao gol há 11 metros de distância. Dessa marca do pênalti à meia lua há 9 metros e 15 centímetros. Da trave do gol até a linha lateral da grande área há 11 metros de distância. A linha da pequena área tem uma largura de 5 metros e meio, e da grande área, 16 metros e meio. O comprimento do campo deve ter, no mínimo, 90 metros, e, no máximo, 120 metros. A largura do campo deve ter, no mínimo, 45 metros, e, no máximo, 90 metros. A altura das traves deve ser de 2 metros e 24 centímetros. O comprimento, de 7 metros e 32 centímetros. A marca do pênalti deve medir 22 centímetros de diâmetro. E a largura dos postes não pode ser superior a 12 cm.

 

 69 – A introdução dos cartões amarelo e vermelho surgiu na partida de abertura da Copa de 70, no jogo México e União Soviética.

 

 70 – O número mínimo de jogadores exigido para que um time continue em campo é de sete.

penalti[1]

 71 – Se na batida de um pênalti, o goleiro defender e o atacante chutar de novo para dentro, o gol é válido. Mas se a bola bater na trave, e no rebote o jogador marcar o gol, este deverá ser invalidado, porque, nesse caso, o jogador bateu na bola pela segunda vez, contrariando a regra.

 

 72 – Em jogos internacionais, o juiz de futebol não deve ter menos de 25 anos nem mais de 45. No Brasil, as idades mínimas são de 18 anos (jogos estaduais) e 21 anos (campeonato nacional).

 

 73 – Pelé esteve presente em 92 jogos da Seleção brasileira e marcou 77 gols. Em 1.375 jogos de sua carreira, marcou 1.281 gols. Nasceu em Três Corações, MG, em 23 de outubro de 1940 e jogou em apenas dois clubes: Santos e Cosmos.

 

 74 – Diego Armando Maradona nasceu em 30 de outubro de 1960 e atuou em 91 jogos da Seleção Argentina, fazendo 34 gols.

 

 75 – Cláudia Malheiro foi a primeira mulher a assumir o comando técnico de um time de futebol profissional, no Brasil. Ela foi treinadora do time do Andirá, do Acre.

 

 76 – O maior artilheiro da história do Atlético Mineiro é Reinaldo, com 254 gols. O jogador que mais vestiu a camisa do Galo foi o goleiro Kafunga: 712 jogos.

 

 77 – No Palmeiras, quem mais vestiu a camisa do clube foi o meia Ademir da Guia, que jogou de 61 a 77 e atuou em 866 jogos do alviverde paulista. As oito estrelas que existem no escudo do Palmeiras significam o mês de agosto, o oitavo mês do ano, o mesmo em que o clube foi fundado com o nome de Palestra Itália, em 1914.

 

 78 – Quem mais jogou pelo São Paulo foi o goleiro Poy: 565 jogos. O primeiro gol do time foi marcado em 1936 pelo jogador Ruy Bueno de Godói.

 

 79 – A maior transação do futebol brasileiro nos anos 40 foi a venda de Leônidas da Silva, que saiu do Flamengo para o São Paulo em 1942. O atacante custou 200 contos de réis, o que, em valores atualizados, corresponderia a apenas 162 mil reais. No tricolor, Leônidas chegou com o apelido de Bonde de 200 contos. Bonde era o apelido dado a jogadores superados, embora Leônidas tivesse 29 anos. E acabou justificando o dinheiro pago pelo São Paulo, porque jogou até 1950, dando ao clube os campeonatos estaduais de 43, 45, 46, 48 e 49.

 

80 – O primeiro gol do Estádio Beira-Rio foi marcado pelo centroavante Claudiomiro, no jogo de inauguração do estádio, Internacional 2, Benfica de Portugal 1, em 6 de abril de 1969.

wladimir[1]

 81 – O jogador que mais vestiu a camisa do Corinthians foi o lateral-esquerdo Wladimir: 800 jogos. Nos 22 anos sem ganhar o título de campeão paulista (de 55 a 77), o Corinthians mudou 27 vezes de treinador. O curioso é que começou e terminou essa fase com Oswaldo Brandão, que ainda havia passado por lá em 64/65 e em 1968.

 

 82 – Quem levou Zico para a Gávea foi o radialista e professor universitário Celso Garcia, em 1967. Na época, o Galinho tinha 13 anos.

 

 83 – Garrincha ainda chegou a jogar pelo Flamengo. Em 1968, já com 35 anos de idade, o ponta realizou o sonho de defender seu clube de coração. Ainda fez 15 jogos e lá ficou por cinco meses, marcando 4 gols.

 

 84 – A estrela dourada que tem no alto da bandeira do Grêmio, acima do escudo, simboliza uma homenagem ao jogador Everaldo, campeão mundial pela Seleção brasileira na Copa de 70, e que morreu num acidente de carro em 1974 quando percorria o interior gaúcho na sua campanha para deputado estadual. O Dodge Dart de Everaldo bateu de frente numa carreta que corria a 160 km/hora.

 

 85 – O jogador que mais jogou pelo Vasco da Gama foi Roberto Dinamite com a incrível marca de 1.022 jogos, e 617 gols marcados, tornando-se também o maior artilheiro da história do clube.

 

 86 – Quem mais vestiu a camisa do Cruzeiro foi o volante Zé Carlos: 619 jogos, de 1965 a 1977. Outro destaque também foi o lateral Nelinho que, certa vez, atendendo a um convite do programa Globo Esporte (1980), conseguiu, com a bola parada, mandar a pelota para fora do Mineirão, façanha que seria repetida anos depois pelo ponteiro Éder.

 

 87 – Quem mais atuou pelo Santos não poderia ser outro senão Pelé, que vestiu a camisa santista em 1.115 partidas. Ele também é o artilheiro do clube com 1.091 gols. O Santos também se preocupou em contar os gols do time desde sua fundação. O gol 10.000 por exemplo foi marcado pelo jogador Jorginho, na Copa Brasil de 1998, contra o Vila Nova, de Goiás, em 20 de janeiro.

 

 88 – Quem mais vestiu a camisa do Botafogo foi o lateral Nílton Santos, que jogou de 1948 a 1964. Foram 719 partidas.

 

 89 – O primeiro goleiro da Seleção brasileira se chamava Marcos Carneiro de Mendonça, e foi titular do Fluminense nos anos 10 e depois presidente do clube. Pelo Brasil, Marcos jogou 15 partidas e tomou 13 gols entre 1914 e 1922. Ficou conhecida como Fita Roxa, porque usava uma para prender o calção.

 

 90 – Enéas foi um grande ídolo, talvez o maior, da Portuguesa. Era apelidado de Dorminhoco, porque às vezes ficava meio desligado do jogo. Jogou no Bologna da Itália e, depois, no Palmeiras. Enéas Camargo morreu num acidente de carro em 1988. Marcou 179 gols em 375 jogos da Lusa.

Carlinhos Bala X Fumagol[1]

 91 – Em 1977, Sport e Náutico precisavam decidir o Campeonato Pernambuco numa partida que permitia que houvesse tantas prorrogações fossem necessárias até que um dos times marcasse um gol. A primeira prorrogação de 30 minutos acabou em 0×0; a segunda e a terceira, de 15 minutos cada, também. O Sport só foi campeão às duas horas da madrugada, com um gol de Mauro, aos 13 minutos da quarta prorrogação. Foram, ao todo, 148 minutos de futebol.

 

 92 – O time mais antigo do futebol brasileiro é o Sport Club Rio Grande, da cidade de Rio Grande/RS, fundado em 19 de julho de 1900. Depois vem a Ponte Preta, fundada 22 dias depois.

 

 93 – Em 1975, o Santa Cruz/PE classificou-se para as semifinais do Campeonato Brasileiro em primeiro lugar, jogando num grupo que tinha Internacional (que seria o campeão), Flamengo, São Paulo e Grêmio.  O Santa só perdeu o lugar na decisão do título porque foi derrotado pelo Cruzeiro por 3×2, em pleno Arrudão. O time-base do tricolor pernambucano foi este: Jair, Carlos Alberto, Lula, Levir e Pedrinho; Givanildo e Carlos Alberto; Fumanchu, Ramón e Pio.

 

 94 – Uma goleada do Santa Cruz em cima do Corinthians fora de casa. Isso aconteceu em 12 de março de 1981, em pleno Pacaembu. O Corinthians estreava o meia Zenon, mas a festa foi do Santa Cruz: 4×1, e o primeiro gol foi marcado por Dario, Peito de Aço.

 

 95 – O Campeonato Estadual mais antigo do Brasil é o Paulista, que começou a ser disputado no dia 3 de maio de 1902, com o jogo Mackenzie 2, Germânia 1. Charles Miller, “o dono da bola” foi o artilheiro daquele campeonato com 10 gols. Ele jogava no São Paulo Athletic, que foi o campeão.

 

 96 – A bolada que Tostão levou no olho e que lhe tirou do futebol aconteceu no jogo Corinthians e Cruzeiro, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, no Pacaembu, no dia 24 de setembro de 1969. Uma rebatida do zagueiro corintiano Ditão explodiu em cheio contra o olho esquerdo de Tostão e houve descolamento de retina. Naquele mesmo ano, o jogador teve que ser operado em Houston, nos Estados Unidos. Voltou a jogar, inclusive na Copa de 70, e três anos depois, o problema voltou e Tostão abandonou de vez a carreira, aos 26 anos de idade.

 

 97 – Dadá Maravilha, o Dadá Peito de Aço, jogou durante 19 anos (de 1967 a 1986) e defendeu dezessete equipes. Dario marcou 539 gols.

 

 98 – Paulo Roberto Falcão, que muitos pensam ser gaúcho, na verdade nasceu em Abelardo Luz, interior de Santa Catarina, no dia 16 de outubro de 1953. A partir dos dois anos de idade, Falcão passou a morar em Canoas, no Rio Grande do Sul. Pela Seleção Brasileira disputou as Copas da Espanha (82) e do México (86).  Como jogador do Internacional jogou 78 gols. Ainda jogou na Roma e no São Paulo.

 

 99 – Quando jogava na Copa de 70, Gérson pertencia a que time? O meia foi contratado pelo São Paulo no final de 1969, mas até a Copa do México passou a maior parte do seu tempo servindo à Seleção nos amistosos e preparativos para a Copa. Ficou no São Paulo até 1972 e foi para o Fluminense encerrar sua carreira em 1974.

 100 – O maior artilheiro da Seleção Brasileira em uma só partida foi Evaristo de Macedo, que se tornaria técnico de futebol. Evaristo marcou cinco gols na goleada de 9×0 que o Brasil aplicou na Colômbia em jogo válido pelo Campeonato Sul-Americano, no dia 23 de março de 1957.

 danielBueno[1]Pesquisa: Daniel Bueno

Direitos reservados

Comments: Leave a Comment
Get Adobe Flash player